subscrever o vídeo do dia aeiou:
subscrição efectuada.
  • Conheça os Instrumentos de uma Orquestra Sinfônica

    teste
    FAVORITO
    3.00/5
    Partilha no teu site ou blog:

    Você é daqueles que, quando assiste uma orquestra ao vivo ou na televisão, não sabe o nome dos instrumentos que vê? Confunde o violino com a viola, o violoncelo com o contrabaixo? Nunca ouviu falar em “fagote”? Acha que o “tímpano” é uma membrana do ouvido? Não se preocupe… Esses texto e vídeo tem o objetivo de lhe mostrar os instrumentos de uma orquestra sinfônica.

    Talvez os mais importantes instrumentos de uma orquestra sejam os violinos, que se dividem em dois grupos: primeiros e segundos. A próxima vez que você ver uma orquestra, lembre-se: os violinos são os instrumentos que estão bem à esquerda do maestro. Os primeiros violinos localizam-se no primeiro plano do palco; os segundos estão logo atrás.

    À frente do maestro, temos as violas, que são instrumentos semelhantes ao violino, porém um pouco maiores e, portanto, mais graves. Os violoncelos, instrumentos de cordas ainda mais graves, localizam-se à direita do maestro. Por fim, temos os contrabaixos, os mais graves de todas as cordas, localizados atrás dos violoncelos.

    Violinos, violas, violoncelos e contrabaixos formam o naipe de cordas de uma orquestra. Os três primeiros possuem quatro cordas. Os contrabaixos podem ter quatro ou cinco cordas (nesse caso, sons mais graves podem ser alcançados). Em conjunto, as cordas contemplam uma gama enorme de sonoridades, que vai dos sons mais agudos e brilhantes dos violinos aos sons mais graves e profundos dos contrabaixos.

    Localizados atrás das violas estão os instrumentos de sopro, que se dividem em madeiras e metais. Os instrumentos incluídos na categoria das madeiras são assim chamados porque antigamente eram feitos deste material (hoje em dia, porém, muitos são feitos de metal, como as flautas). As madeiras localizam-se logo atrás das violas, no centro da orquestra. Pertencem a este grupo: as flautas (a padrão e o flautim, que é mais agudo), os oboés (sem esquecer o corne-inglês), os fagotes, os clarinetes e os saxofones (estes mais usados no jazz do que na música erudita). Atrás das madeiras, localiza-se o grupo dos metais, que inclui as trompas, os trompetes, os trombones e as tubas. Assim como as cordas, as madeiras e os metais contemplam uma grande extensão sonora, que vai dos sons mais agudos do flautim às notas mais graves da tuba.

    A seção final da orquestra é formada pelos instrumentos de percussão, que podem ser classificados entre os que possuem sons de altura definida ou indefinida. Dentre os de altura definida, temos os tímpanos (não é a membrana do ouvido!), os carrilhões, os xilofones, os vibrafones, as marimbas, entre outros. Dentre os de altura indefinida, temos as caixas, os tom-tons, os bombos, os pratos, os triângulos, as castanholas, entre outros.

    Por fim, vale lembrar que, em algumas obras sinfônicas, certos instrumentos de teclado são incorporados à orquestra, tais como piano, cravo ou órgão.

    A formação instrumental da orquestra sinfônica não se deu de uma hora para outra, foi antes um longo processo ocorrido durante os últimos quatro séculos. Ao longo deste período, os instrumentos musicais foram sendo aperfeiçoados. Instrumentos antigos foram substituídos por modernos. Muitos foram esquecidos e deixaram de fazer parte da orquestra, enquanto outros foram incorporados ao conjunto.

    A orquestra sinfônica atual segue o modelo do final do século XIX. É formada por 32 violinos, 12 violas, 12 violoncelos, 8 contrabaixos, 4 flautas, 4 oboés, 4 clarinetes, 4 fagotes, 8 trompas, 4 trompetes, 3 trombones, uma tuba e um número variado de percussão. Obviamente, cada obra sinfônica possui sua própria formação instrumental, fator que varia de acordo com a época e o compositor. Em geral, uma orquestra sinfônica completa possui de 80 a 100 músicos.

Comentários

A preparar comentários...
  • portal aeiou.pt

    Chat Bla Bla

    mail grátis aeiou    zap aeiou

  • Área Pessoal